Elon Musk diz que acordo com Twitter está temporariamente suspenso

Em post, bilionário apontou pendências sobre a quantidade de contas falsas na plataforma de mídia social; ações desabam.

9
Elon Musk — Foto: Reuters

O bilionário Elon Musk afirmou nesta sexta-feira (13) que o acordo para a compra do Twitter está “temporariamente suspenso”.

Segundo Musk, detalhes sobre contas falsas ainda estão em discussão.

“O acordo (para a compra) do Twitter está temporariamente suspenso por pendências em detalhes que sustentam que contas falsas de fato representam menos de 5% dos usuários”, afirmou, em um post na rede social.

Depois da mensagem, as ações do Twitter caíram em torno de 20% nas negociações pré-mercado da bolsa dos EUA, segundo a France Presse.

No final de abril, o homem mais rico do mundo anunciou um acordo para comprar a rede social por US$ 44 bilhões (cerca de R$ 215 bilhões).

Criada em 2006, a plataforma tem mais de 217 milhões de usuários mensais.

O negócio tem sido alvo também de contestação de acionistas. No último dia 6, Musk e a rede social foram processados ​​pelo Orlando Police Pension Fund, um fundo de pensão da Flórida, que busca impedir o magnata de concluir a compra da empresa de mídia social antes de 2025.

Raio X do Twitter — Foto: Arte/g1

De onde Elon Musk vai tirar US$ 44 bilhões para comprar o Twitter?

Parte significativa da fortuna de Elon Musk está ligada às suas ações da Tesla — Foto: AP Photo/Matt Rourke

A compra do Twitter pelo bilionário Elon Musk levantou diversas perguntas sobre o futuro da rede social e sobre a transação em si. Dentre elas, de onde virá o dinheiro que será usado para a concluir a transação de US$ 44 bilhões (cerca de R$ 215 bilhões).

Em um documento apresentado à Comissão de Valores Mobiliários (SEC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos no dia 21 de abril, Musk disse que tem compromissos com o banco Morgan Stanley para obter dois empréstimos, um de US$ 13 bilhões e outro de US$ 12,5 bilhões, uma soma de US$ 25,5 bilhões.

O valor deste crédito foi confirmado em outro documento da SEC divulgado na segunda-feira, que consolidou o acordo.

O negócio bilionário, aprovado por unanimidade pelo Conselho de Administração do Twitter na segunda-feira (26), ainda precisa ser aprovado por acionistas da empresa e por órgãos regulatórios, mas a previsão é que seja concluído ainda neste ano.

No mesmo registro, o bilionário se compromete a destinar até US$ 21 bilhões de sua fortuna pessoal para completar a operação, mas não detalha de onde vai sair esse dinheiro.

Musk, que é o homem mais rico do mundo, com uma fortuna de quase US$ 265 bilhões, tem grande parte de seu dinheiro atrelado às ações da Tesla – cerca de 17% da empresa, avaliada em mais de US$ 1 trilhão, segundo a FactSet –, além da SpaceX, sua empresa espacial privada.

Musk poderia vender ações da Tesla para arrecadar dinheiro – o que talvez prejudicasse o preço das ações da companhia. Por outro lado, a revista “Forbes” observa que o bilionário já usou mais da metade de sua participação na Tesla como garantia de outros empréstimos.

Novos e antigos sócios

Outra forma de Musk pagar pelo acordo seria buscar investidores que se juntem à sua proposta, comprando uma participação no futuro do Twitter.

Em dois momentos, o homem mais rico do mundo deu pistas de que pode trabalhar com os investidores atuais do Twitter. Em carta ao conselho da companhia, ele afirma que poderia “explorar opções que permitam aos acionistas existentes investir a totalidade ou parte de seus rendimentos na transação”.

Em uma entrevista dada há algumas semanas, Musk disse que gostaria de manter “tantos acionistas quanto possível” para uma companhia de capital fechado. Segundo a legislação americana, após a compra o Twitter pode ter até 1.999 sócios.

Nesse caso, alguns dos principais acionistas da companhia se juntariam a Musk na oferta. No documento, o bilionário informa que esses acordos devem ser feitos de forma separada – e não descreve os termos de cada negociação.

Um desses sócios pode ser Jack Dorsey. O cofundador do Twitter tem cerca de US$ 980 milhões em participação na rede social, levando em conta o valor de US$ 54,20 oferecido por Musk. Na última segunda-feira (25), Dorsey adotou um tom otimista para falar sobre a venda da empresa.

Os dois executivos costumam conversar sobre criptomoedas no Twitter e trocaram elogios públicos em diversas situações. Em janeiro de 2020, Dorsey convidou Musk para um evento com colaboradores da rede social. Na ocasião, o bilionário deu dicas de como melhorar a plataforma.

Fonte: g1

Comentários Facebook