Especialistas alertam para riscos do leilão de petróleo em Fernando de Noronha

Blocos oferecidos no leilão da ANP desta quinta-feira (7/10) ficam próximos a um oásis da vida marinha, que abriga cerca de 40 espécies em extinção, além de possuir relevância para a pesca de diferentes estados do Nordeste e o turismo sustentável

20
 

O próximo leilão de exploração de petróleo marcado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) para esta quinta-feira, 7 de outubro, é visto com grande preocupação por pesquisadores, ambientalistas e organizações da sociedade civil brasileira. Parte dos blocos à venda localiza-se na região conhecida como Bacia Potiguar, na qual estão o arquipélago de Fernando de Noronha e a Reserva Biológica Atol das Rocas – reconhecidos como Patrimônio Natural Mundial pela Unesco.

O local é considerado um oásis de vida marinha, sendo berçário para várias espécies, dentre elas cerca de 40 ameaçadas de extinção, como a tartaruga verde (Chelonia mydas), o tubarão-limão (Negaprion brevirostris) e diversos peixes, como o Bodião ilhéu (Bodianus insularis), entre outros. Pesquisadores ressaltam que a região possui espécies que ainda sequer foram catalogadas pelos cientistas.

Do ponto de vista econômico, a região é fundamental para o sustento de pescadores de vários estados da região Nordeste e é base para uma cadeia de turismo sustentável. Além dos impactos diretos com a estrutura de exploração de petróleo na área, em caso de acidente com possível vazamento de óleo, as consequências podem ser incalculáveis para a biodiversidade e economia locais.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, emitiu parecer que considera “temerária” a inclusão dos blocos próximos a Noronha.

Para comentar o assunto, detalhando os riscos oferecidos pelo leilão da ANP, estão disponíveis para entrevista:

  • ALEXANDER TURRA, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), professor titular do Instituto Oceanográfico da USP e responsável pela Cátedra UNESCO para Sustentabilidade do Oceano.
  • HUDSON PINHEIRO, Cientista da Academia de Ciências da Califórnia e da Associação Ambiental Voz da Natureza, mestre em Oceanografia Ambiental e PhD em Ecologia e Evolução.

Sobre a Rede de Especialistas

A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes em www.fundacaogrupoboticario.org.br

Comentários Facebook