Empresariado de Marataízes conhece detalhes de linha de crédito emergencial do Fundo de Proteção ao Emprego

O financiamento contempla projetos de investimento de R$ 31,5 mil até R$ 1 milhão.

11

Empresários de diferentes segmentos do município de Marataízes receberam informações sobre a linha de crédito emergencial do Fundo de Proteção ao Emprego (FPE), em um encontro on-line, nesta segunda-feira (26).  O encontro faz parte da estratégia conjunta adotada pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) e a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides) para tirar dúvidas e orientar o empresariado sobre a linha de crédito emergencial.

O Fundo, com recursos do Governo do Estado e operado pelo Bandes, contará com R$ 250 milhões direcionados para financiar empresas que foram prejudicadas pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Os recursos são destinados ao apoio aos empresários de todo o Estado neste momento de retração econômica, com condições adequadas para a manutenção das atividades produtivas.

Os recursos do Fundo de Proteção ao Emprego poderão financiar capital de giro em condições bastante atrativas, com prazo de até 72 meses para pagar, incluídos 12 meses de carência. A linha é considerada sem juros, uma vez que o recurso financiado só tem correção pela taxa Selic. O financiamento contempla projetos de investimento de R$ 31,5 mil até R$ 1 milhão. O crédito emergencial pretende apoiar empresas pertencentes aos setores diretamente afetados pela pandemia, tais como: bares e restaurantes, hotéis e pousadas, eventos sociais e culturais, atividades esportivas e turísticas, entre outras.

A reunião foi organizada pela Prefeitura de Marataízes. Durante a apresentação, o diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira, orientou sobre as formas de acesso ao financiamento. “O Bandes está atento às demandas do mercado e da sociedade capixaba para oferecer produtos e serviços adequados às necessidades que o atual cenário nos apresenta. A linha de crédito emergencial foi pensada com o objetivo de apoiar as empresas que tiveram sua existência ameaçada pela redução do fluxo de caixa, pela mudança do segmento em que atuam ou pela dificuldade de acesso ao crédito por causa de restrições”, explicou.

O secretário de Estado de Inovação e Desenvolvimento, Tyago Hoffmann, afirma que o governador do Estado, Renato Casagrande sabe dos desafios enfrentados pelos empresários durante este período de pandemia e por isso, decidiu criar uma linha de crédito emergencial com menos burocracia e que pudesse atender aos segmentos mais afetados como bares, restaurantes, hotéis e pousadas, eventos sociais e culturais, atividades esportivas e turísticas, entre outros. “Para contratar, o empresário terá à disposição atendimento remoto e personalizado da equipe do banco, além de um prazo de até 72 meses para pagar, incluídos 12 meses de carência. Ao oferecer condições tão acessíveis, o Governo do Estado sinaliza seu apoio para que empresas possam se manter, ganhar tempo para superar este momento difícil e ter a chance de não aumentar seus custos ao preservar empregos”, disse Hoffmann.

Atendimento on-line

O Bandes disponibilizou por meio de seu site atendimento remoto para agilizar o processo de solicitação e contratação da linha emergencial do Fundo de Proteção ao Emprego. Pelo link bandes.com.br/emergencial, o empresário pode baixar a proposta de financiamento e  preencher um formulário que será remetido à instituição para cadastro e análise.

Plano Espírito Santo — Convivência Consciente

O Fundo de Proteção ao Emprego é uma das iniciativas de enfrentamento que faz parte do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente, um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico, priorizando as pessoas, para reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia da Covid-19. São previstos mais de R$ 32 bilhões em investimentos dos Governos Federal, do Estado e do setor privado até o final de 2022. A estimativa é de que sejam criadas mais de 100 mil vagas de emprego.

O Plano apresenta sete eixos de atuação: Desburocratização; Medidas Tributárias; Crédito e Financiamento; Monitoramento dos Impactos na Economia; Aceleração dos Investimentos Públicos e Privados; Inovação e Tecnologia e Geração de Emprego e Renda.

O Conselho Gestor do Plano Espírito Santo — Convivência Consciente é formado pelas Secretarias de Economia e Planejamento (SEP); Mobilidade e Infraestrutura (Semobi); Fazenda (Sefaz); Governo (SEG), Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), que vão acompanhar de perto a implementação das medidas previstas no Plano.

Informações à imprensa:

Assessoria de Comunicação da Sectides

Comentários Facebook