Emocionados, vereadores assumem intermediação por Apae e autistas

5

Com cidadania e emoção à flor da pele, a Câmara de São Mateus assumiu a missão de ampliar parcerias para melhorar as condições de atendimento da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e também viabilizar a instalação, na Cidade, de um Centro Especializado em Reabilitação para Pessoas com Deficiência (CER). O tema dominou a terceira sessão ordinária deste mês de junho, realizada terça-feira, 21.
No Pequeno Expediente, o debate teve a participação de Fábio Nascimento, líder de um grupo de pais de autistas mateenses, da diretora da Apae Maria Aparecida da Silva Brito (Cida) e de Ludneia Francisco Nascimento (Lurdinha), mãe de dois filhos autistas. Os três detalharam as dificuldades vividas pelas famílias de pessoas com deficiência e pediram ajuda aos vereadores.
Prontamente, e já sensibilizado antes mesmo de o debate ser aprofundado, o presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Fundão, orientou a direção da Apae a protocolar, com detalhes, as demandas da instituição para providências imediatas. Ele salientou que buscaria ajuda, numa ação com os demais vereadores, junto ao prefeito Daniel Santana e o secretário de Saúde Henrique Follador.
Na sessão, com assinatura de todos os vereadores, a Câmara aprovou por unanimidade a Indicação 419/2022, proposta inicialmente por Ciety Cerqueira, para a instalação de um Centro Especializado em Reabilitação no prédio que abrigou o Pronto-Socorro Municipal.

DEMANDAS
Primeiro a falar na Tribuna Livre, Fábio recordou o histórico das ações dos pais de autistas. Ele salientou que o grupo cresce com os avanços nos diagnósticos. E pediu aos vereadores interlocução, junto à bancada federal capixaba, para obter autorização do Ministério da Saúde a fim de instalar o CER em São Mateus. Fábio disse que o Município já sinalizou que tem essa intenção.
Cida Brito informou que a Apae atende atualmente 203 pessoas com deficiência, inclusive 57 autistas, e conta com lista de espera de ao menos outros 50, já que no momento não reúne condições para ampliar o atendimento. “Precisamos de um espaço maior”, disse, acrescentando que é preciso também a liberação de profissionais para diferentes especialidades.
De acordo com a diretora da Apae, os atendimentos aos autistas são realizados em Nova Venécia, onde o CER, segundo ela, não dá conta de atender a pacientes de 14 municípios do norte capixaba. “O desgaste desse vai-e-vem é muito grande para as famílias. Temos que agir” – frisou.
A sensibilização já era grande no plenário quando a palavra foi dada a Ludneia Francisco Nascimento. Mãe solteira, Lurdinha provocou lágrimas quando detalhou as lutas do dia a dia com dois filhos autistas, que necessitam de medicação 24 horas por dia e, mesmo medicados, ainda externam o sofrimento cotidiano. “Olhem para o nosso lado. Ajudem a gente” – conclamou aos vereadores, e por extensão às demais autoridades a quem o apelo chegar.

RESPOSTAS DOS VEREADORES
Liderados por Paulo Fundão, os vereadores mateenses assumiram o compromisso de engrossar as lutas dessas famílias por melhores condições de atendimento de seus filhos. “Com certeza, este Parlamento, e falo por todos os vereadores, é solidário a esta causa”, frisou o presidente da Câmara, reiterando orientações para encaminhamentos das demandas.
Isael Aguilar, Adeci de Sena, Cristiano Balanga, Carlinho Simião, Preta do Nascimento, Lailson da Aroeira, Gilton Gomes, Delermano Suim, Kacio Mendes e Ciety Cerqueira seguiram na mesma linha, emocionados, manifestando possibilidades de soluções a curto e a longo prazos. “Senti na alma a sua dor. Quem é pai sente. Neste momento, estamos sofrendo com você, Lurdes” – sintetizou Adeci.
Os vereadores lembraram casos que acompanham inclusive nas próprias famílias. E reforçaram que é preciso união no Município e nas instâncias estadual e federal para construir soluções. Uma das medidas é viabilizar um espaço maior para atuação da Apae, dotando a instituição dos recursos humanos necessários para contemplar a demanda por atendimentos especializados. “Esta bandeira é de todos”, frisou Gilton Gomes. “Esta bandeira é nossa”, completou Kacio, propondo a criação de uma comissão com pais, vereadores e outras autoridades.
Ciety agradeceu ao presidente da Câmara por pautar o assunto imediatamente, embora com requerimento apresentado em cima da hora. “Aqui é a caixa de ressonância da sociedade, por isso fizemos questão de colocar o assunto em pauta”, explicou Paulo Fundão. Ele reforçou que a Câmara tem como ajudar, e quer auxiliar, na solução de problema tão delicado que afeta incontáveis famílias mateenses.
“Estou saindo daqui mais leve. Compartilhamos angústias aqui que não são só nossas. São de muitas famílias. Quero viver para ver uma Apae ampla. Não vou nem dormir esta noite” – disse Cida Brito.
A comoção tomou conta até das redes sociais da Câmara Municipal, com internautas parabenizando a determinação dos vereadores de abraçar as demandas da Apae e para a instalação em São Mateus de um centro especializado para reabilitação de pessoas com deficiência.

Comentários Facebook