Covid-19: ES anuncia uso de remédios a partir de junho, mutirões e inquérito sorológico

Informações foram divulgadas em pronunciamento do secretário de Saúde, na manhã desta terça-feira (17).

9
Vacinação contra Covid-19 no ES — Foto: Governo do ES/Divulgação

O governo do Espírito Santo informou que pretende disponibilizar os medicamentos aprovados para tratamento da Covid-19 a partir de junho deste ano na rede pública de saúde estadual.

O anúncio foi feito pelo secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, em pronunciamento realizado na manhã desta terça-feira (17).

“Temos expectativa de no mês de junho já ter a disponibilidade de tratamentos específicos com os dois medicamentos reincorporados pela Conitec [Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde] para o tratamento de pessoas afetadas pela Covid-19”, falou o secretário.

Em março deste ano, a Conitec, órgão do Ministério da Saúde, aprovou o uso do medicamento baricitinibe para o tratamento da Covid-19. No mesmo dia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial do medicamento Paxlovid para a doença.

Na coletiva, Nésio atualizou os números da pandemia no estado, que apresentam um crescimento no número de casos confirmados pela terceira semana seguida.

Durante o pronunciamento, Fernandes ainda anunciou a realização de mutirões de vacinação nos municípios capixabas, um novo inquérito sorológico e uma pesquisa de hesitação vacinal.

Aumento de casos

Segundo o secretário, o Espírito Santo apresenta um cenário de controle da pandemia em termos internações e de óbitos pela covid-19. Mas, de acordo com ele, o estado observa três semanas consecutivas de crescimento de casos confirmados de Covid-19

Fernandes informou que, de 321 casos de Covid-19 confirmados há quatro semanas atrás, o estado saltou para 919 novos registros na última semana. Ainda segundo ele, até esta segunda (16), o ES alcançou 285 novos casos positivos.

No entanto, o aumento de casos não se refletiu no número de mortes pela doença. O secretário informou que o mês de maio é o que apresenta o menor número de mortes desde o início da pandemia. Até a data do pronunciamento, o estado registrava dois óbitos pela Covid-19 e a expectativa era de que menos de 10 mortes fossem confirmadas até o final do mês.

“Isso representa um cenário aonde o crescimento de casos acende um alerta à população, pois podemos ter ao longo dessa semana uma taxa de transmissão superior a 1 no estado do Espírito Santo, tanto na Vitória quanto também no interior, e precisamos reforçar as medidas capazes de poder reduzir o risco de impacto de uma nova onda em termos de interação”, falou Fernandes.

Nova matriz epidemiológica

O secretário anunciou que o estado está finalizando a construção de uma nova matriz epidemiológica, que vai apontar padrões e indicadores de controle e alerta para o comportamento da pandemia. A ferramenta será publicada na próxima semana.

Mas o secretário garantiu que não se trata de uma nova matriz de risco.

“Não se trata de uma nova matriz de risco, não se trata de um instrumento que determinará medidas que restrição de atividades econômicas e sociais, mas sim um instrumento de controle e gestão por parte das autoridades sanitárias”, falou Fernandes.

Mutirões de vacinação

De acordo com o secretário, 1,4 milhão de capixabas estão com a segunda e a terceira doses da vacina contra a Covid-19 em atraso. Enquanto a imunização com a terceira dose em idosos e com a segunda dose em adultos está próxima de 90%, os demais grupos estão com o esquema vacinal defasado, o que preocupa as autoridades de saúde do ES.

Segundo Nésio, esses capixabas que estão em falta com a vacinação podem representar um risco de que as internações e os óbitos no estado voltem a subir.

Como medida para tentar reduzir esse possível impacto, o estado anunciou que traçou uma meta de vacinação para todos os grupos que já estão aptos a serem vacinados: chegar a 90% de cobertura vacinal nos próximos 90 dias.

Para isso, de acordo com Fernandes, o governo do ES pactuou com os municípios a realização de ao menos um mutirão de vacinação por mês até o fim do ano.

“Nós pretendemos estabelecer a meta de em 90 dias alcançar a meta de 90% de cobertura para cada esquema de vacinação apto às faixas etárias”, explicou o secretário.

Além disso, Fernandes informou que o número de salas de vacinas foram ampliadas em 70% para aumentar a oferta de vacinas no estado e que orientou aos municípios a implementação de horários diferenciados e novos mutirões de vacinação e em locais de auto fluxo de pessoas e dias festivos.

Máscaras e isolamento

Durante o pronunciamento, o secretário reforçou a recomendação para o uso de máscara e isolamento para os pacientes confirmados.

“Aqueles que possuem qualquer sintoma devem procurar a testagem, devem se isolar e se estiverem confirmados, praticarem o isolamento de sete a dez dias de acordo com as recomendações já amplamente divulgada. O uso das máscaras permanece sendo recomendado e representa uma medida adicional de proteção”, orientou Fernandes.

Inquérito sorológico e pesquisa de hesitação vacinal

O secretário também anunciou que o estado vai realizar um novo inquérito para identificar a exposição das pessoas não vacinadas ao vírus da Covid-19.

O esquema do estudo ainda está sendo finalizado e o levantamento deve acontecer em junho.

Além do inquérito, o Espírito Santo vai fazer uma pesquisa de hesitação vacinal para identificar o perfil da população que não está se vacinado no estado. A pesquisa será quantitativa e qualitativa e o objetivo é entender as razões pelas quais esses capixabas não estão se imunizando ou vacinando os filhos.

Fonte: g1 ES

Comentários Facebook