Deputado defende intervenção do governo na segurança pública do norte

Bruno Lamas destacou os crescentes casos de assaltos e homicídios em municípios da região   

25
Bruno quer ouvir as demandas dos prefeitos do Norte.

Um dos locais destacados na fala do deputado foi a Vila de Itaúnas, em Conceição da Barra, que ele citou até “repercussão internacional” devido aos recentes crimes registrados. A “Terra do Forró”, como é conhecido o local, registrou somente em dezembro de 2020 dois assassinatos. Primeiro do italiano Gabriele Gigli, apedrejado no quintal de casa. O suspeito do crime, acredita-se, foi linchado. Ninguém mais o viu. Depois, o assassinato de forte repercussão do capoeirista Cuarassy Pedro Medeiros Del Nery, alvejado à queima roupa após uma discussão com o matador confesso, Tiago Viana, que apesar de um mandado de prisão concedido pela Justiça, permanece solto.

Se o fim de 2020 na tradicional vila de pescadores, conhecida por seu bucolismo e tranquilidade, foi marcado pela violência, o início deste ano não foi diferente. Em janeiro, cinco bandidos invadiram um hotel e 12 famílias foram feitas como refém.

Bruno Lamas recordou, em seu discurso, um crime ocorrido em Nova Venécia. No mês de fevereiro, o diretor do Sistema Nacional de Emprego (Sine), Dionízio Gonzaga, foi morto quando chegava ao trabalho. O parlamentar citou, ainda, o caso de uma caminhonete roubada em Boa Esperança, que pertencia a um produtor rural.

“Que o programa Estado Presente, que o governo do Estado, que o Dr. Arruda possam olhar pelo norte do Espírito Santo”, solicitou Bruno Lamas, que é do partido de Casagrande e da base aliada, referindo-se ao delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Santos Arruda. O deputado destacou a necessidade de investimento na Polícia Civil. “Quem são os delegados? Eles estão correspondendo? Está faltando servidor? Está faltando escrivão, investigador?”, questiona. O parlamentar também falou sobre a delegacia de Montanha, que, segundo ele, foi destruída pela chuva e hoje funciona em uma casa alugada, após ter funcionado temporariamente em uma unidade móvel.
Falta de efetivo na Polícia Civil
Após a fala de Bruno Lamas, o deputado Delegado Danilo Bahiense (sem partido) fez um breve panorama sobre a falta efetivo na Polícia Civil no Espírito Santo. De acordo com ele, existem 578 policiais em atuação nos 71 municípios do interior, sendo que estão concentrados nas cidades onde há plantões, que são São Mateus, Linhares, Colatina, Aracruz e Barra de São Francisco, no norte; além de Cachoeiro de Itapemirim, no sul; e Venda Nova do Imigrante, na região serrana. Do total de 2.030 policiais que existem no Estado, Danilo Bahiense aponta que 411 têm de 46 a 50 anos, 401 estão entre 51 e 55, e 383 têm idade superior a 56.
Com informação: Século Diário
Comentários Facebook