Rose defende que Senado vote auxílio emergencial separadamente, em vez de todo o texto da PEC

Senadora protestou contra o item da matéria que acaba com o piso para gastos em Saúde e Educação nos estados e municípios

25
Em sessão do Senado na tarde desta quarta, 24, a senadora Rose de Freitas (MDB-ES) defendeu que a Casa vote o auxílio emergencial separadamente. Isto é, que apenas esse ponto, entre todos da PEC Emergencial (186/2019), seja apreciado pelos senadores neste momento.
Isso porque Rose, diversos parlamentares e a sociedade civil reagiram ao item incluído no texto da PEC que acaba com o piso para gastos em Saúde e Educação – caso a proposta passe, os chefes do Executivo de estados e municípios ficam desobrigados de efetuar gastos mínimos nessas áreas.
Para a senadora, “é um absurdo que num momento tão importante, tão trágico, com as pessoas precisando do auxílio emergencial”, representantes da população se aproveitem para interferir no valor mínimo de gastos para Saúde e Educação.
“Não pode. Não pode. Não podemos apreciar um assunto desse dentro de uma PEC Emergencial. PEC que trata da fome que as pessoas estão sentindo todos os dias. Então, presidente (Rodrigo Pacheco, do Senado), aqui fica meu apelo a vossa excelência para ser interlocutor desta Casa e para que nós possamos nos ater ao auxílio emergencial. Que nós possamos votar única e exclusivamente o auxílio emergencial, restringindo a PEC 186 ao mérito dela: ser humana neste momento para tratar da fome dos brasileiros”, protestou Rose.
A votação da matéria chegou a ser anunciada para esta quinta, 25. Todavia, por conta da reação negativa aos itens do texto, a expectativa é que os senadores discutam o assunto esta semana e votem na próxima.
Com Informações: Assessoria de Comunicação Senadora Rose de Freitas
Comentários Facebook