MARTINHO DA VILA E TUNICO DA VILA JUNTOS EM SEMINÁRIO ONLINE SOBRE ANTIRRACISMO NA MÚSICA

O seminário é baseado na obra musical “Quero, Quero” (1977), lançada na ditadura por Martinho da Vila e na releitura da música feita por Tunico da Vila em seu novo álbum “Fases da Vida”.

39
Foto Divulgação? Tonico da Vila

O seminário online gratuito “Quero, Quero Culturas Negras” apresenta conteúdo com diálogos, palestras e performances de artistas e pensadores negros na música, da área acadêmica e cultural, nos dias 24,25 e 26 de fevereiro. A programação acontece no Canal do Youtube do artista Tunico da Vila e faz parte do Edital Artes Integradas da Lei Aldir Blanc que conta com apoio da Secretaria Estadual de Cultura do Espírito Santo e do governo federal por meio do Ministério do Turismo.

Na programação estão a palestra do Embaixador Cultural de Angola no Brasil e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o artista e escritor Martinho da Vila, da Profa. Dra. Patrícia Rufino (Ufes), da psicóloga especialista em população negra Cláudia Sales, intervenções artísticas com o artista Tunico da Vila que possui vivências em países africanos, da rapper capixaba Afari, dos pesquisadores culturais Rômulo Corrêa, da escritora e mestra em Culturas Déborah Sathler e da matriarca do congo Celeuza Sales.

“É um intercâmbio cultural de ideias, entre artistas das culturas negras do samba, do rap, do congo, pensadores, pesquisadores e acadêmicos, e visa contribuir de forma qualificada, com o debate antirracismo.  Como diz a lenda do pássaro quero, quero, que aprendeu a querer duas vezes para si e para os outros, e possui similaridade com a filosofia africana bantu e o conceito de ubuntu, uma pessoa é uma pessoa por meio de outras pessoas, isso inclui solidariedadecooperaçãorespeito, acolhimentogenerosidade em sintonia para o bem coletivo. Assim como o projeto musical Quero, Quero foi um desabafo coletivo de duas culturas negras irmãs musicais, liberando energias para um mundo melhor, o projeto de artes integradas possui o propósito de circular conhecimentos, saberes e fazeres culturais no ambiente online na pandemia”, falou Tunico da Vila.

“Esse debate acontece num momento fundamental na sociedade, é muito importante estarmos presentes na luta antirracista, uma violência que adoece, gera sofrimento e mata. Como profissional de saúde mental vamos debater o impacto que a pandemia causa nos profissionais negros da arte, incluindo LGBTQIA+”, reiterou a psicóloga especialista em população negra Cláudia Sales.

O seminário é baseado na obra musical “Quero, Quero” (1977), lançada na ditadura por Martinho da Vila e na releitura da música feita por Tunico da Vila em seu novo álbum “Fases da Vida”. A releitura contou com as participações do grupo de rap feminino capixaba Melanina Mcs, de Rappin´ Hood, Rashid, Kamau, Dexter, BK e de Martinho da Vila. O disco de Tunico da Vila lançado na pandemia alcançou 5 milhões de streamings nos principais aplicativos de música e o videoclipe mostra cenas da cidade de Vitória, como o Mercado da Vila Rubim, a Feira Livre de Jardim da Penha e une duas culturas negras mensageiras, o samba e o rap.

Serviço:

Programação Quero, Quero Culturas Negras

Canal do Youtube Tunico da Vila Oficial

https://www.youtube.com/channel/UC8os0U34FO8XcvoZQC1d99w

Data:   24\02\2021  Quarta-Feira           

“Herança do Samba” com Tunico da Vila

Horário: 20h

“Arte e cultura como política pública de saúde mental para a população negra”, com as Profa. Dra. Patrícia Rufino (Ufes) e a psicóloga especialista em população negra, Cláudia Sales.

Horário: 20h40

Data:   25\02\2021  Quinta-Feira

“História oral e culturas negras: questões de gênero, cultura e saúde” com a escritora e mestra em Humanidades Déborah Sathler e a matriarca do congo Celeuza Sales

Horário: 20h

“Zacimba, Madalena e Domingas: aspectos históricos da cultura negra feminina no Espírito Santo” com o pesquisador de memória e cultura negra Rômulo Corrêa e a rapper e ativista Afari.

Horário: 20h40

Data:   26\02\2021    Sexta-Feira                

“A música dançante das Américas é negra” com o pesquisador, escritor e artista, Embaixador Cultural de Angola no Brasil, Martinho da Vila.

Horário: 19h

“Angoleiro: encontro das culturas negras” com o artista e ativista Tunico da Vila que possui vivências musicais em países africanos.

Horário: 19h30

“Kalumbas- Rap trançado” com Afari.

Horário: 20h

Informações

Déborah Sathler

Comentários Facebook