AUTORA E MATRIARCA DO CONGO  APRESENTAM FORMAÇÃO LITERÁRIA SOBRE MEMÓRIA E CULTURA 

35
Foto: Divulgação

A autora do livro “30 anos da gravação de Madalena do Jucu: perspectivas históricas e novos alcances“, a jornalista e mestra em Culturas Déborah Sathler, apresenta a formação literária na internet “Madalenas do Espírito Santo”, junto com a matriarca e rainha do congo Celeuza Sales.  A formação acontece no dia 20 de janeiro, às 19 horas na página do Facebook da jornalista /deborahsathlerjornalismo e conta com o apoio do Fundo de Cultura da Secretaria Municipal de Cultura de Vitória por meio do Edital Aldir Blanc do Ministério do Turismo do Governo Federal.

 

O livro da jornalista acabou de ser premiado em Portugal com o Prêmio Internacional de Economia Social Antônio Sergio 2020, na categoria Pesquisa e Investigação na Lusofonia. A cerimônia acontecerá em Lisboa até o segundo semestre de 2021. A proposta da formação é oferecer ao público um panorama de como se deu a pesquisa, a autora que trabalha com a metodologia da história oral, coletou narrativas das mulheres do congo para o livro e quer disseminar o que aprendeu com elas no campo de pesquisa sobre a cultura do congo, empoderar as narrativas femininas e debater questões de gênero e raça. A atividade conta com a participação de Dona Celeuza Sales, rainha da tradicional banda de congo Amores da Lua do bairro Santa Marta. Dona Celeuza é profissional da saúde há mais de 30 anos e fala também do seu trabalho na saúde pública e as estratégias de enfrentamento e de autocuidado na pandemia da Covid-19. “As mulheres mais velhas, a sabedoria, os idosos são respeitados dentro da cultura do congo. Temos a nossa forma de nos organizarmos, de nos cuidarmos. O racismo com a gente existe, mas agora é crime”, falou Celeuza Sales.

“As mulheres do congo, são em sua maioria mulheres negras, do subúrbio, das vilas, trabalhadoras, empreendedoras, pescadoras, marisqueiras, que fizeram e fazem magia de transformar a arte em alento da existência. São famílias culturais cujas tradições são passadas de geração em geração. Carregam uma herança cultural de afro-brasileiras que amam os tambores, as canções de amor da África, dos mares e mangues do Espírito Santo. Em tempos de empoderamento feminino, discussões sobre igualdade de gênero, acreditamos ser importante essa formação, esse repasse de informações acerca das agentes culturais capixabas, as Madalenas e novas Madalenas do Espírito Santo, mulheres que cantam, dançam, tocam congo, compositoras, cantoras, artistas do congo, e profissionais que vão continuar trilhando suas histórias”, falou a autora.

O congo capixaba é uma comunidade cultural única no Brasil, que reúne mulheres que perpetuam saberes e fazeres culturais ancestrais africanos, através da música e da dança. Configura um segmento cultural importante e de representatividade do povo negro capixaba. No livro da jornalista Déborah Sathler, as matriarcas do congo capixaba, detentoras dos saberes culturais narraram suas histórias de vida, os desafios da cultura negra, rememoraram trechos da época da gravação da toada de congo “Madalena do Jucu” em samba em 1989 e falaram sobre a figura mítica de “Madalena” no capítulo “Madalenas e Novas Madalenas”.  Serão sorteados cinco livros pela autora durante a formação.

Agenda 20\01- Quarta-Feira

Formação Literária Madalenas do Espírito Santo

19 hs

Cultura

Canal do Facebook da autora Déborah Sathler

Link: https://www.facebook.com/deborahsathlerjornalismo

Comentários Facebook