Conselho Gestor do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente se reúne pela primeira vez

Durante a reunião, foram apresentados o cenário de 2020 e as perspectivas para 2021, além do decreto que institui o Conselho Gestor do Plano e o documento balizador do Plano Espírito Santo, que está disponível para consulta no site da Sedes.

15
Foto: Giovani Pagotto/Governo-ES

O governador do Estado, Renato Casagrande, participou, nesta quarta-feira (06), da primeira reunião de trabalho, por videoconferência, do Conselho Gestor do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente. O encontro teve a participação da vice-governadora Jaqueline Moraes, de representantes das Secretarias de Desenvolvimento (Sedes); Governo (SEG); Economia e Planejamento (SEP); Mobilidade e Infraestrutura (Semobi); Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional (Secti); e Fazenda (Sefaz), além da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), o ES em Ação e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Durante a reunião, foram apresentados o cenário de 2020 e as perspectivas para 2021, além do decreto que institui o Conselho Gestor do Plano e o documento balizador do Plano Espírito Santo, que está disponível para consulta no site da Sedes. Foram definidas ainda as ferramentas para acompanhamento e monitoramento do Plano, modelo de governança e a definição da periodicidade dos encontros.

Em sua fala, o governador Casagrande abordou os objetivos do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente, assim como a importância do diálogo constante com a população e a transparência das ações.

“Lançamos o Plano Espírito Santo visando mitigar os impactos causados à sociedade capixaba e criamos diversas medidas que tiveram a colaboração da iniciativa privada. Agora vamos tocar os projetos, tornando realidade a previsão da geração de 100 mil empregos. Criamos o Conselho Gestor do Plano, no qual nos reuniremos para deliberar as ações para atingirmos as metas. Seguimos enfrentando, mas aprendendo a conviver com a pandemia do novo Coronavírus”, completou Casagrande.

O secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip, frisou a importância desse diálogo aberto e transparente do Governo com a sociedade e do poder público com o setor produtivo, bem como as instituições mantendo a colaboração constante de todos para conduzir e debater desenvolvimento do Estado do Espírito Santo.

“Queremos elaborar uma agenda programada para ao longo do ano que seja produtiva e monitoramento constante de todas as ações previstas no Plano Espírito Santo – Convivência Consciente. Gostaria de ressaltar que a população também poderá opinar e participar conosco deste trabalho. Este é um diferencial do Estado do Espírito Santo, a oportunidade de debater de maneira ampla e democrática com toda a sociedade”, disse Kneip.

A subsecretária de Estado de Gestão de Projetos da Sedes, Fabrine Schanwz, explicou mais sobre o documento balizador do Plano. “A partir dele, teremos chance de atualizar de maneira constante os dados, monitorar as entregas e prestar contas à sociedade. Nesta publicação estão presentes os princípios norteadores do Plano Espírito Santo, destacando que, de acordo com o nosso governador, as pessoas são a nossa prioridade, além das ações voltadas para o desenvolvimento e mais do que a recuperação econômica. Temos ainda os eixos de atuação do plano, detalhamento de cada um, com a relação de ações previstas”, afirmou.

Ainda durante o encontro, o diretor de Integração e Projetos Especiais do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), Pablo Lira, apresentou os indicadores da pandemia trabalhados pelo IJSN e instituições parceiras, bem como o histórico da gestão de risco da pandemia no Espírito Santo.

“O Espírito Santo tem se destacado como estado modelo na gestão da pandemia, mitigando os efeitos na saúde e também na economia. O resultado do PIB capixaba do terceiro trimestre já destaca que o Estado está tendo uma recuperação econômica em 2020, com crescimento de 10,3% em relação ao segundo trimestre. Desempenho superior ao brasileiro, que foi de 7,7%”, pontuou Lira.

O diretor do IJSN também destacou alguns fatores portadores de futuro, que possibilitam ao Espírito Santo sair na frente na retomada do crescimento econômico. “O Espírito Santo conta com um equilíbrio fiscal e financeiro desde 2012, atestado pela Secretaria do Tesouro Nacional. Também é o primeiro Estado a instituir um Fundo Soberano, que poupa recursos provenientes do petróleo para as gerações futuras, numa visão de desenvolvimento sustentável. Temos uma ambiência favorável à atração de investimentos. E o Plano Espírito Santo é um robusto plano de retomada econômica, que articula diferentes e importantes instituições e instâncias capixabas, com o objetivo comum, que é o desenvolvimento e a retomada econômica do Estado neste período de pandemia”, observou.

Plano Espírito Santo – Convivência Consciente

Apresentado no dia 26 de novembro de 2020 pelo governador do Estado, Renato Casagrande, ao lado de autoridades e lideranças da sociedade civil, o Plano Espírito Santo — Convivência Consciente é um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico, priorizando as pessoas e com o objetivo de reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

São previstos quase R$ 33 bilhões em investimentos dos governos do Estado, Federal e do setor privado até o final de 2022. A estimativa é de que sejam criadas mais de 100 mil vagas de emprego.

O Plano é resultado de um grande pacto, que foi selado entre o poder público e o setor produtivo para o enfrentamento dos desafios impostos pela pandemia, exigindo que as ações sejam executadas a partir de uma visão interdisciplinar e multisetorial, com foco em respostas inovadoras.

Eixos

Ao todo, serão sete eixos de atuação: Desburocratização; Medidas Tributárias; Crédito e Financiamento; Monitoramento dos Impactos na Economia; Aceleração dos Investimentos Públicos e Privados; Inovação e Tecnologia e Geração de Emprego e Renda.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Governo

 

Comentários Facebook