Reino Unido inicia 3º lockdown para conter mutação do coronavírus

País bateu recorde de novos registros diários de Covid-19. Somente na Inglaterra, 27 mil estão internados com a doença, maior número desde o início da pandemia.

15
Passageiros usam máscara na Estação de Waterloo, em Londres, no primeiro dia do novo lockdown na Inglaterra — Foto: Justin Tallis/AFP

O Reino Unido entrou nesta terça-feira (5) em seu terceiro lockdown para frear o aumento de casos de Covid-19 no país.

A determinação para que os britânicos fiquem em casa é uma tentativa de conter a variante mais contagiosa do coronavírus enquanto a vacinação avança.

Cerca de 27 mil pessoas estão internadas com a doença só na Inglaterra, número 40% maior do que o registrado no pico da pandemia em abril.

Dados do governo apontam que o Reino Unido atingiu outro recorde diário de casos de Covid-19, com 58.784 novos infectados. É o sétimo dia consecutivo com mais de 50 mil casos em território britânico.

Veja as restrições do terceiro lockdown na Inglaterra:

  • Todos devem permanecer em casa, salvo exceções autorizadas (veja abaixo);
  • Escolas devem fechar imediatamente e migrar para o ensino remoto de forma integral até meados de fevereiro, pelo menos;
  • Restaurantes, bares e cafés devem fechar e não poderão servir em seus salões (veja mais abaixo);
  • Locais de prática esportiva ao ar livre, como campos de golfe e quadras de tênis, ficarão fechados;
  • Prática de esportes coletivos fica proibida para amadores.

As pessoas estão autorizadas a sair de casa apenas em caso de necessidades médicas, compra de alimentos, prática de exercício físico e trabalho presencial, quando este for indispensável.

Creches continuam funcionando e restaurantes, bares e cafés poderão funcionar apenas para sistema de entrega ou retirada de alimentos (e a venda de bebidas alcoólicas só poderá ser realizada em entregas).

Esportes coletivos só serão permitidos no nível profissional, como as partidas de futebol da Premier League, o Campeonato Inglês.

Com Informações: G1

Comentários Facebook