SindipetroES realiza mais um ato em defesa da Petrobrás com venda de gás de cozinha a R$40,00

O ato acontece na portaria da base da Petrobrás em São Mateus, na BR-101

116
Base da Petrobrás em São Mateus
O Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo (SindipetroES) realiza, nesta quarta feira (04), mais um ato Petrobrás Fica no ES, onde será vendido o botijão de gás de cozinha (13 quilos) com um preço bem mais acessível: R$40,00. A ação, que também é composta pelo Petroleiros pela Vida,  acontece a partir das 08h, em frente a Base 61, sede da Petrobrás no município de São Mateus, localizada  na BR 101, km 67,5 em Morada do Ribeirão.
Serão distribuídas 100 senhas, por ordem de chegada, para a compra do gás por R$ 40. O objetivo principal é de conscientizar a população sobre os riscos da saída da empresa do Espírito Santo e o fechamento de unidades de exploração de petróleo e gás natural no Norte do Estado.
Os moradores podem levar a botija de gás vazio, e precisam ter em mãos um comprovante de residência. Será distribuído um cupom por família, que poderá ser trocado na hora ou dentro do prazo de 60 dias. Vale ressaltar que essa ação é destinada apenas aos moradores de São Mateus.
Esse é mais um ato de conscientização da população sobre o desmonte da Petrobrás no Espírito Santo e, também, um alerta sobre os riscos do que pode acontecer caso a empresa seja privatizada. Desde que a subsidiária Liquigás foi vendida, em 2019, pelo governo de Jair Bolsonaro, o preço da botija de gás tem aumentado constantemente, com valor que chega até R$75,00, dependendo da distribuidora. Segundo o sindicato, o mesmo deve ocorrer com os demais combustíveis, incluindo gasolina e diesel, caso a Petrobrás seja vendida.
O preço do gás que será distribuído no ato de quarta feira é subsidiado pelo movimento Petroleiros Pela Vida, com apoio do Sindipetro-ES.#PetrobrásFicanoES

O SindipetroES tem realizado diferentes ações em todo o Espírito Santo para denunciar o que consideram uma tentativa do governo federal e da atual gestão do Sistema Petrobrás para a saída da empresa do Espírito Santo. Entre os últimos acontecimentos que provam esse desinvestimento estão a ameaça de fechamento de unidades de exploração de petróleo e gás natural no norte do estado, o atraso de 1 ano na chegada no navio plataforma para o Projeto Integrado do Parque das Baleias e a saída do Bunker da Transpetro do Terminal de Tubarão, em Vitória. Neste último o governo do estado realizou uma mediação com representantes da Petrobrás e da mineradora Vale (empresa que arreda o espaço para a Transpetro) para estender o contrato por até maio do ano que vem. A participação do SindipetroES foi fundamental para evitar a saída que custaria mais de 100 empregos e a perda de R$ 46 milhões de reais em ICMS anualmente aos cofres públicos.
Entre ações do sindicato estão a campanha publicitária #PetrobrásFicanoES que divulga por meio de outdoors, rádio, televisão, jornais e redes sociais uma mensagem de união entre os setores da sociedade capixaba, os convocando para defender a permanência da empresa no estado. Já o Comitê em Defesa da Petrobrás no Espírito Santo tem a finalidade de conseguir apoio de político de nossos representantes na Assembleia Legislativa do Espírito Santo e Congresso Nacional, além de empresas, associação de moradores, partidos, sindicatos, ONGs, dentre outros setores da sociedade capixaba que sabem da importância que a Petrobrás desempenha na economia, inovação e meio ambiente do Espírito Santo.
Comentários Facebook