Vila Velha cataloga trilhas urbanas e rurais e vai ampliar rede cicloviaria

As intervenções serão realizadas com recursos do Fonplata

37

Uma cidade moderna necessita de opções de mobilidade urbana. Em Vila Velha, o Plano de Mobilidade Urbana municipal (PlanMob), prevê, dentre outras intervenções, a ampliação da rede cicloviaria no município.

Atualmente, o município possui 46,2 km de ciclovias, sendo 1,7 km de ciclofaixa, que são utilizadas para o lazer e também por trabalhadores e estudantes.

“O uso de ciclovias é uma alternativa muito útil à mobilidade urbana. São inúmeros seus benefícios: diminuição do número de carros nas ruas e assim, dos congestionamentos e dos índices de poluição; geração de autonomia e facilidade de deslocamento; e aumento da qualidade de vida dos adeptos, reduzindo o stress”, ressalta a secretária municipal de Desenvolvimento Urbano, Caroline Jabour.

Vila Velha também iniciou um estudo para catalogar todas as “Trilhas urbanas e rurais” da cidade usadas por pedestres e ciclistas.

Camila Rezende, moradora da Praia da Costa, utiliza diariamente a ciclovia e acha importante a expansão. “Expandir as ciclovias é preparar a cidade para o futuro. Com o trânsito saturado a bike ganha cada vez mais adeptos. Seja para lazer, trabalho ou esporte”, disse.

PlanMobVV

Aumentar a acessibilidade e requalificar o espaço viário são alguns dos objetivos do Plano de Mobilidade e Acessibilidade de Vila Velha (PlanMobVV). O intuito é que os deslocamentos de pessoas e bens na cidade ocorram de forma sustentável, contribuindo para o seu desenvolvimento econômico, social e ambiental.

O Plano desenvolvido pelo consórcio MYR-Locale Trânsito e Transporte, servirá como orientação para os investimentos em mobilidade urbana feitos na cidade no próximos oito anos. O projeto de Lei será enviado para a apreciação da Câmara Municipal de Vila Velha ainda este ano.

Mais ciclovias

A Prefeitura tem um planejamento preliminar de curto a longo prazo para implantação de novas ciclovias e ciclofaixas, bem como para resolução dos problemas de sinalização e acesso das ciclovias existentes.

Cerca de 48 km serão implantados a longo prazo (dependentes de intervenções viárias e não limitadas necessariamente a estes 48 km) como a Estrada Jerônimo Monteiro (Glória à Paul), Avenida Carlos Lindenberg à Av. Robert Kennedy (Cobilândia à São Torquato), ciclovia de Cobilândia à Vale Encantado. A ciclofaixa da Rua Leila Diniz, (Novo México), ciclofaixa da Av. Vitória Régia (Novo México a Brisamar), ciclofaixa da Av. Ruy Braga Ribeiro (Santa Inês), ciclofaixa da Av. Sérgio Cardoso (Araçás a Brisamar), conclusão da ciclovia da Av. Carlos Lindenberg (Santa Inês), ciclofaixa da Av. João Francisco Gonçalves (Cobilândia), ciclofaixa da Rua Itaiabaia (Coqueiral de Itaparica), ciclofaixa da Av. Califórnia (Grande Terra Vermelha), ciclofaixa da Av. Brasil (Grande Terra Vermelha), Estrada Jerônimo Monteiro (Glória à Paul), Avenida Carlos Lindenberg à Av. Robert Kennedy, ciclovia de Cobilândia à Vale Encantado.
O local das ciclovias pode ser alterado após a elaboração dos projetos executivos.

As intervenções serão contempladas com parte do crédito externo de U$ 27,6 contraído junto ao Fundo de Desenvolvimento Fonplata.

Com informações: Priscila Contarini  Assessora de comunicação  PMVV/SEMDU/SEMCONT

Comentários Facebook