Mastigar água? Startup cria saquinho comestível para acabar com as garrafinhas

    Feito com algas-marinhas, sachê pode ser ingerido junto com a água ou ser reciclado

    44
    Ooho, o sachê comestível da Notpla (Foto: Reprodução/Instagram)

    A meia-maratona de Londres, que será disputada no 29 de março, não terá as tradicionais mesas com copos d’água para hidratar os corredores. Em vez disso, os organizadores se juntaram a Notpla, startup de tecnologia que trabalha com embalagens.

    A embalagem alternativa — batizada de Ooho — é um sachê transparente e comestível, feito com algas marinhas. Com eles, os corredores poderão simplesmente morder a ponta e beber a água. Se quiserem, podem até comê-lo “como um tomate-cereja”, nas palavras do co-fundador da empresa, Pierre-Yves Paslier.

    “Você coloca dentro da sua bochecha e morde. Ela explode, então é bem surpreendente,” disse Paslier a Fast Company. O sachê não tem sabor.

    Segundo Paslier, que já trabalhou como engenheiro de embalagens da L’Oreal, a ideia é garantir que não haja impacto ambiental no descarte do sachê.

    “Queremos ter uma solução a prova de balas, que não importa onde terminar, nossas embalagens não vão causar consequências negativas,” disse Paslier. “Se a natureza consegue lidar com isso caso acabem indo para o lugar errado, é o maior tipo de proteção.”

    A embalagem comestível é criada utilizando conceitos de gastronomia molecular. Segundo a Notpla, um cubo de gelo é colocado em uma solução de cloreto de cálcio e extrato de alga marinha. A mistura se junta a redor do cubo, criando uma camada que, após o gelo derreter, retém a água.

    Além de eventos esportivos, a Notpla já se juntou com uma marca de whisky, Glenlivet, para criar “coquetéis sem copos.” A empresa também pretende investir no mercado de embalagens de molhos como ketchup e mostarda.

    “Nós acreditamos que vai funcionar junto com pessoas utilizando mais garrafas reutilizáveis e esquemas de devolução de embalagens, e muitas outras coisas que, juntas, vão criar uma sociedade livre do plástico,” disse Paslier.

     

    Comentários Facebook