TUNICO DA VILA REÚNE GRANDES NOMES DO SAMBA EM SEU NOVO ÁLBUM

Tunico da Vila gravou seu primeiro álbum intitulado “Tunico Ferreira” (2003), que fez sucesso com a música “Nota de Cem”.

55
Foto Rogério Neves/Estúdio

O sambista Tunico da Vila, revelação do samba contemporâneo, indicado ao Prêmio Profissionais da Música Brasileira 2019 na categoria samba, reuniu amigos e familiares na gravação de seu novo álbum, “Fases da Vida”, que será lançado em março pela Sony. Xande de Pilares, Martinho da Vila, o maestro e seu produtor musical Rildo Hora e a catarinense Ana Clara, estavam com Tunico na tarde dessa quarta (15), no estúdio o bairro do Grajaú, no Rio de Janeiro. Ainda vão gravar com Tunico, Dudu Nobre e o paulistano Péricles.

“Esse novo trabalho é um marco na minha trajetória, sinto-me mais amadurecido como artista e mais encantado pela música. Ela me salvou e estou numa nova fase aos 40, despertei outros sentidos em mim pra cantar e compor. Sempre tive meu pai como guru, agora tenho também o maestro Rildo Hora me aconselhando e que apostou na minha linha de composição, que vem de tudo que eu sou, da Vila, do terreiro, um ser humano livre, de pés descalços. Rildo é um tio que me ama, continuo em família e com a responsabilidade de fazer arte séria, mensageira. De levar um samba que é feliz e vive, e cantar a minha própria brasilidade”, falou Tunico que possui 25 anos de carreira.

Trajetória

Nascido no dia de Santo Antônio, dia 13 de junho, batizado como Antônio João e Pedro Caniné Ferreira, Tunico da Vila, 45 anos, é carioca, nascido e criado no bairro boêmio de Vila Isabel. Possui uma história intrínseca com a escola de samba do bairro, pois começou a frequentar a quadra da Unidos de Vila Isabel ainda criança, com seu pai o cantor e compositor Martinho da Vila e sua mãe Ruça, que foi presidente campeã pela Unidos de Vila Isabel em 1988. Faz parte da ala de compositores, é benemérito da escola e autor do samba campeão do carnaval de 2013 junto com Martinho e Arlindo Cruz.

Tunico da Vila, inicia sua carreira como músico profissional aos 20 anos de idade. Percussionista consagrado, fez parte do movimento que levou a percussão brasileira para o exterior. Fez carreira internacional, tendo atuado em diversos países como Dinamarca, Portugal, França e Angola. Atuou na banda de Martinho da Vila durante vinte anos, gravou com Emílio Santiago, Leila Pinheiro e atuou com nomes além do samba como Homem de Bem, Tito Paris, Jorge Degas e Banda Maravilha. Fez arranjos percussivos para o clipe produzido pelo cineasta americano Spike Lee. Formou-se em percussão pela Ordem dos Músicos do Brasil, participou do 1º Canto Livre de Angola no Brasil em 1983, do Kizomba- Encontro Internacional de Arte Negra em 1984 e do memorável desfile “Kizomba, Festa da Raça” da Unidos de Vila Isabel em 1988, desfilando na bateria.

Começou a compor sambas em 1994 com Paulinho da Aba (in memoriam) e Agrião. Junto com sua irmã Analimar, Ana Costa e Agrião fez parte do grupo “Coeur Sambar”. Já se apresentou com sua banda no carnaval de Cabo Verde em África, Almada e Crato em Portugal, nas principais casas de samba do eixo Rio- SP, nos Teatros Rival (RJ), João Caetano (RJ), Sala Baden Powell (RJ) e Guaíra em Curitiba (PR), no Circuito Sesc São Paulo (SP). Flamenguista, Tunico da Vila é casado com a jornalista capixaba Déborah Sathler e possui cinco filhos, Lara, Leonardo, Luah, Higor e Madalena do Espírito Santo (in memoriam).

Discografia

Tunico da Vila gravou seu primeiro álbum intitulado “Tunico Ferreira” (2003), que fez sucesso com a música “Nota de Cem”. Em 2009, lançou seu segundo álbum ”Na cadência do Partido Alto” e em 2016, o EP “O Velho de Oiá”, disponível nas plataformas de música. Nos CD´S do pai, Martinho da Vila, Tunico da Vila assina as canções, “Um ai ai pro meu amor” no álbum “Tá delícia, tá gostoso” (1995), “Pare de brincar comigo” e “Difícil ser fiel” no álbum “O Pai da Alegria” (1999). Das composições com Martinho da Vila, a música “Cheguei no Samba”, gravada pelo grupo Swing e Simpatia (2000). Autor de “Festa de Caboclo”, Tunico foi gravado por Martinho da Vila no CD “Da Roça e da Cidade” (2001). Interpretou o samba romântico de sua autoria, “Vivo pra sentir seu prazer“ no álbum “Lambendo a Cria” (2011), “Meu Off Rio” no DVD Sambabook Martinho da Vila (2013), e os sambas de enredo, “De alegria pulei, de alegria cantei ”e “Teatro Brasileiro”, dessa vez no CD “Enredo” (2014) de Martinho. Em 2018, interpretou o samba-enredo conhecido como “Festa no Arraiá”, de sua autoria em parceria com Martinho da Vila e Arlindo Cruz no álbum “Alô Vila Isabeeel” e no CD “Bandeira da Fé”, a canção “Baixou na Avenida”, pela Sony Music.Lançou pela Sony Music em 2019 os singles de sua autoria “Que paixão tão linda é essa”, “É dia de Rede no Mar” e “Madalena do Espírito Santo” uma homenagem póstuma à sua filha que morreu no mesmo ano. Está em estúdio preparando seu novo álbum “Fases da Vida” com produção musical do maestro Rildo Hora que deverá ser lançado em março pela Sony Music.

 

Comentários Facebook