Desemprego à vista: Sindicato denuncia fechamento da sede da Petrobras em São Mateus

Para discutir a situação, a Câmara de Vereadores realiza nesta quinta-feira uma audiência pública, a partir das 19 horas. O desemprego poderá atingir até 2 mil famílias que atuam nos setores de comércio, serviço da cidade, e no seu entorno.

203

A Petrobras bateu o martelo: agora é pra valer! O que antes ficava apenas na ameaça, vai tornar realidade, o que significa desemprego à vista para a região norte. É que até o final de 2020 a sede administrativa da estatal, em São Mateus, vai ser fechada. A denúncia é do Sindicato dos Petroleiro do Espírito Santo (Sindipetro-ES).

A audiência pública desta quinta-feira foi proposta pela vereadora Jaciara Teixeira (PT) e a expectativa é da presença de representantes da sociedade civil, empresários e funcionários, o que mais serão afetados com a medida.

Na última terça-feira (10), o gerente-geral da unidade Operacional da Bahia visitou a cidade para expor os planos da petroleira para a Base-61, como é chamada a estrutura de São Mateus. Na verdade, há meses vem ocorrendo comentários na cidade de que muitas ações que eram definidas em São Mateus haviam sido transferidas para a Unidade da Bahia.

O fechamento da base em São Mateus, segundo a diretoria de comunicação do Sindipetro-ES, pode trazer impactos diretos para 800 famílias, considerando profissionais e fornecedores da estatal. Hoje, pelo menos 26 empresas prestam serviços diretos para a Petrobras. Já indiretamente, a entidade de classe calcula que os reflexos podem ser ainda maiores, atingindo 2 mil famílias que atuam em setores do comércio e de serviços na cidade e no entorno.

O sindicato se mostrou preocupado com a demissão de terceirizados e também com o movimento de transferência de profissionais que deverá ser iniciado. Os representantes do Sindipetro-ES alegam que a orientação da Petrobras foi no sentido de que cada um busque realocação.

FOCO NO PRÉ-SAL

A justificativa dada aos profissionais para o encerramento das atividades na sede administrativa, ainda segundo diretores da entidade, é o fato de a Petrobras estar com o foco em atividades do pré-sal. Mas eles argumentam que a base-61, embora não seja tão lucrativa quanto campos do pré-sal, é uma unidade que não dá prejuízos para a companhia.

Para debater esse tema, vai ser realizada nesta quinta-feira (12) uma audiência pública na Câmara de Vereados de São Mateus, às 19 horas. “Queremos sensibilizar a sociedade e impedir que a Petrobras saia de São Mateus. Vamos lutar para isso não acontecer”, frisou o sindicato ao observar que a reunião deve contar com a presença de petroleiros, vereadores, prefeito, fornecedores e moradores da região.

A Petrobras não se pronunciou oficialmente sobre o fechamento da base de São Mateus.

Comentários Facebook