Sete presos em Operação que apura fraude em diplomas no ES envolvendo faculdades

O MPES chegou aos alvos da operação após acordos de colaboração premiada envolvendo investigados nas fases anteriores da Operação Mestre Oculto. Uma das faculdades investigadas fica em São Mateus.

33

Sete pessoas foram presas na Operação Pontas Soltas deflagrada hoje (26/11) no Estado, em mais um desdobramento da Mestre Oculto. Um homem, intermediário do esquema, é considerado foragido da Justiça. A operação investiga o fornecimento de diplomas de Graduação e certificados de Pós-Graduação e cursos de extensão de forma fraudulenta.
A operação foi conduzida pelo Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Norte) e da Promotoria de Justiça de Rio Bananal, com auxílio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES.

As seis mulheres presas foram encaminhadas para o Presídio Feminino de Colatina. O outro preso, um homem, foi encaminhado para o Presídio de Viana.

Além de cumprir sete dos oito mandados de prisão preventiva, a operação cumpriu 12 mandados de busca e apreensão distribuídos pelos municípios de São Mateus, São Gabriel da Palha, Fundão, Serra, Vitória, Cariacica e Guaçuí, envolvendo diretores, sócios e funcionários de faculdades e institutos educacionais. Todo o material apreendido, celulares, computadores e documentos, será analisado pelo Gaeco-Norte. Nos próximos dias, os promotores de Justiça também vão ouvir os investigados presos na Operação Pontas Soltas.

Acatando pedido do MPES, a Justiça também determinou o afastamento dos investigados das atividades de direção/administração ou administrativas/pedagógicas das faculdades ou institutos a que estejam vinculados ou qualquer outra instituição similar até o fim da instrução processual.

O MPES chegou aos alvos da operação após acordos de colaboração premiada envolvendo investigados nas fases anteriores da Operação Mestre Oculto.

Fases

Durante a primeira fase da Mestre Oculto, deflagrada em 25 de julho de 2018, ficou claro que os “institutos” investigados de Linhares e Rio Bananal atuavam como intermediários junto às faculdades certificadoras. Na segunda fase, a investigação alcançou um patamar superior do esquema, atingindo o topo da organização criminosa, de acordo com as apurações feitas até o momento.

Em paralelo, foram deflagradas mais três fases da investigação, que confirmaram a existência de ramificações da organização criminosa em outros pontos do território capixaba: Operação Estória, deflagrada em 13 de novembro de 2018; Operação Viúva Negra, deflagrada em 10 de dezembro de 2018; e Operação Latu Sensu, deflagrada em 11 de abril de 2019.

A ação de hoje, a sexta fase da Mestre Oculto, tem como objeto desarticular um amplo esquema criminoso responsável pelo “comércio” de diplomas e certificados utilizados especialmente na busca pela nomeação em cargos públicos. Esta etapa da operação recebeu o nome de “Pontas Soltas”, devido aos novos núcleos de atuação da organização criminosa que foram identificados ao longo das investigações.

 

Comentários Facebook