DENGUE: JÁ SÃO TRÊS OS CASOS DE HEMORRÁGICA EM SÃO MATEUS

Surto de Dengue em São Mateus já preocupa a Câmara de Vereadores que esta semana passou a tratar o assunto. Há registro de mais de 2 mil casos de suspeitos da doença e, pela primeira vez, a diretora do Hospital Roberto Silvares, Vanete Timóteo admite ter passado pelo local pelo menos três pacientes com dengue do tipo hemorrágica.

392

Enquanto o município evita se aprofundar na questão com divulgação de dados que mantenham a população informada sobre o surto da dengue em São Mateus, a Câmara de Vereadores, através dos vereadores Jozail do Bombeiro (PTB), Carlos Alberto Alves (PSB) e o presidente do Legislativo Jorginho Cabeção, que compõem a Mesa Diretora, se juntaram para pedir providências da Secretaria Municipal de Saúde.
Nesta sexta-feira a diretora do Hospital Roberto Silvares, Vanete Timóteo, pela primeira vez admitiu: a situação é preocupante. E confirmou que três pessoas com a doença do tipo hemorrágica passaram por aquela unidade hospitalar, uma delas, um rapaz, funcionário do filho do vereador Carlos Alberto.

A diretora Vanete Timóteo confirmou atendimento de três pessoas com hemorrágica.

A situação é preocupante e soa nos quatro cantos da cidade a dificuldade do município em combater eficazmente o surto com medidas. Em função da situação, Jorginho Cabeção sugeriu que o secretário de Saúde Henrique Luiz Folador fosse chamado à Câmara para explicar o que tem sido feito.
Mesmo antes do convite, o secretário, ouvido pela reportagem nesta quinta-feira (13) adiantou que o município tem feito sua parte com palestras nas comunidades e carro fumacê. Mas evitou informar oficialmente quantos casos foram notificados e confirmados este ano em São Mateus. “Esses números só a Secretaria de Estrado da Saúde pode divulgar”, resumiu Folador.

LEVANTAMENTOS OFICIAIS

O aumento do número de casos de dengue em São Mateus foi um dos assuntos dominantes, em plenário, na sessão da Câmara, nesta terça-feira (11).
De acordo com levantamento da SESA (Secretaria de Estado da Saúde) levado à tribuna pelo vereador Jozail do Bombeiro, de janeiro até agora, foram registrados 2.078 casos de dengue no município. De quatorze cidades da região, oito estão em estado de alerta.
Autor de indicações ao Chefe do Poder Executivo em 2018 para limpeza de terrenos baldios e para intensificar o carro fumacê, principalmente em
Guriri, onde está a maior incidência, pela quantidade de imóveis fechados, o vereador afirmou que não foi atendido. “Nada disso foi feito, mas a gente não pode ficar de braços cruzados, o município tem que fazer a parte dele e a população tem que cumprir também o seu papel, combatendo todo dia os focos do mosquito transmissor da doença”, disse.
Para o vereador Carlos Alberto Gomes é preciso colocar mais carros fumacê em ação nos bairros. “A nossa preocupação é que veio a chuva de novo, aí o mosquito volta. Estamos com epidemia de dengue em São Mateus
e só um carro fumacê não funciona, precisamos de dois ou três e a população também precisa fazer a parte dela”, lembrou o vereador.
Ele alertou também sobre o perigo da dengue hemorrágica, estágio mais grave da doença, que ocorre quando a pessoa infectada com o vírus da dengue sofre alterações na coagulação sanguínea. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte. “Um funcionário do meu filho
pegou dengue hemorrágica, uma situação gravíssima, com sangramento,
diminuição muito grande das plaquetas no sangue e a boca sangrando e este não é o primeiro caso.

AÇÕES INTEGRADAS

Uma das sugestões apresentadas é convidar o secretário municipal de saúde e o superintendente estadual para discutirem com os vereadores ações integradas para enfrentar o problema.

COMBATE

Segundo o líder do governo na Câmara, Francisco Amaro a Secretaria de Saúde do município está atenta ao combate ao mosquito. “Estão fazendo mutirões e campanhas de conscientização. O carro fumacê parou porque faltou inseticida, que estava em falta em todo o Brasil, mas já voltou a atender a população”, explicou o vereador.
Quanto ao questionamento dos parlamentares em relação à falta de fiscalização dos terrenos baldios, responsáveis por boa parte dos focos do mosquito, que se reproduz facilmente em pneus e garrafas plásticas
depositados nestes locais, Francisco Amaro responsabilizou os
proprietários pelo descuido. “A prefeitura tem fiscalizado, notificando o dono que não faz a limpeza. Mas aí o proprietário não paga a multa e o débito vai para a dívida ativa. A gente tem essa dificuldade”, admitiu.

PREVENÇÃO

A melhor forma de evitar a dengue é acabar com os criadouros.
O Aedes aegypti é um mosquito doméstico. Ele vive dentro de casa e perto do homem. Com hábitos diurnos, o inseto se alimenta de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. A reprodução acontece em água limpa e parada, a partir da postura de ovos pelas fêmeas.
O mosquito da dengue também transmite chikungunya e o vírus zika.

Comentários Facebook