Viajar no banco de trás do carro não é mais seguro, indica estudo

Novo estudo analisou acidentes e verificou que montadoras fazem diversas mudanças nos veículos para preservar apenas parte dos passageiros

11

Quando você se senta no banco do motorista ou do passageiro em um carro, provavelmente colocará um cinto de segurança. Ou pelo menos é o que você deveria fazer.

Mas você faz o mesmo quando se senta no banco de trás?

E se não o faz, é porque acha que não corre tanto perigo caso sofra um acidente?

Um novo estudo do Instituto de Seguros para Segurança nas Rodovias nos Estados Unidos (IIHS, na sigla em inglês) analisa as consequências dos acidentes de trânsito para os passageiros que se sentam no banco de trás.

Segundo o relatório, publicado em abril deste ano, viajar no banco de trás não é mais seguro.

Nem mesmo quando você usa o cinto. Por que essa conclusão?

Lesões no peito

Fabricantes de automóveis vêm tentando melhorar as medidas de segurança para o motorista e o passageiro que se senta na parte da frente do carro, mas deixaram de lado os outros passageiros, de acordo com o IIHS, uma das maiores organizações de segurança viária dos Estados Unidos.

Nos carros fabricados nos EUA a partir do ano 2000, os passageiros da frente têm a proteção dos airbags dianteiros e laterais, além de um mecanismo de tensionadores e limitadores de força com o qual os cintos de segurança seguram o passageiro em caso de colisão.

De acordo com o estudo da IIHS, os assentos traseiros carecem desses recursos de segurança.

O instituto analisou dados sobre acidentes automobilísticos ocorridos entre 2004 e 2015 de dois bancos de dados do Departamento de Transportes dos EUA.

Em 117 acidentes em que passageiros que estavam na parte de trás dos veículos morreram ou ficaram gravemente feridos, o IIHS constatou que as lesões mais comuns eram no tórax.

Em muitos casos, os passageiros sentados no banco de trás ficaram com lesões mais graves que os da frente.

O IIHS acredita que seja possível evitar a morte de passageiros do banco de trás em diversos casos.

“Os cintos podem impedir que um passageiro sentado na parte de trás colida com o interior do veículo, mas cintos sem limitadores de força podem causar lesões no peito”, diz o instituto.

“São necessários sistemas de contenção (segurança) mais sofisticados também na parte de trás do veículo”, acrescenta.

Assentos esquecidos

Shaun Kildare, diretor de pesquisa da organização de segurança viária Advocates for Highway & Auto Safety, disse à BBC que, embora o estudo seja muito focado em um número limitado de acidentes, traz à luz algumas preocupações sobre os assentos traseiros.

“Melhoramos os cintos e acrescentamos airbags na parte da frente do carro, mas não fizemos muito pelos bancos traseiros. Eles foram deixados para trás”, afirmou. “Além disso, aumentou o número de passageiros que viajam na parte de trás, devido ao grande número de usuários do Uber, Lyft ou outros tipos de transporte por aplicativo.”

No entanto, Kildare esclarece que essas conclusões não significam que o banco de trás seja perigoso, mas que ele foi esquecido.

O IHSS recomenda que os cintos de segurança tenham limitadores de força ou que sejam infláveis, como algumas marcas de carros já fazem, e que os bancos traseiros também tenham airbags frontais.

“Estamos confiantes de que os fabricantes de veículos encontrarão uma maneira de resolver esse enigma no banco de trás como fizeram na frente”, disse David Harkey, presidente da IHSS.

DA REDAÇÃO DO JORNAL A ILHA | COM INFORMAÇÕES AUTO ESPORTE

Comentários Facebook