Denúncia de tráfico de drogas termina com tumulto e tiro dentro de escola em Linhares

Pelo menos seis menores, com idade entre 15 e 17 anos, xingaram e agrediram os policiais

22
Confusão aconteceu dentro da Escola Polivalente, no bairro Araçá, em Linhares (Foto: Wilton Júnior / AT)

A denúncia de que o tráfico de drogas estava sendo realizado dentro de uma escola estadual no bairro Araçá, em Linhares, terminou em tumulto e o disparo de um tiro no Norte do Estado. Ninguém ficou ferido. Pelo menos seis menores, com idade entre 15 e 17 anos, e uma jovem de 18 anos, xingaram e agrediram os policiais durante a operação.

O caso aconteceu na noite de quarta-feira (27), por volta das 19h40.

Segundo denúncias da direção da escola e de moradores da região, a escola era utilizada como ponto de tráfico de drogas e tumultos, provocados por parte dos alunos e também por pessoas que não fariam parte da instituição. Em relato encaminhado pela polícia, a situação na escola “estaria insustentável”.

Acionada, a polícia esteve no local e encontrou um menor, de 17 anos, com uma bucha de maconha escondida da mochila. Os policiais informaram que o menor seria conduzido à delegacia para esclarecimentos mas, enquanto caminhavam pela escola, foram ofendidos com xingamentos.

Um outro jovem então fez um gesto de que havia guardado algo na cintura, obrigando a polícia a fazer uma revista nele. Com ele, a polícia encontrou um estilete. A partir daí um novo tumulto se formou: um grupo de jovens tentou impedir a revista no menor. Um dos integrantes do grupo chegou a tentar retirar a arma de um dos policiais.

Para conter o grupo, a polícia chegou a utilizar gás de pimenta e dar um disparo no chão, para fazer com que os menores se afastassem. A situação só foi controlada com a chegada de reforços.

Em nota, a polícia afirmou que a situação do policial será analisada pela Corregedoria da PM. Já os menores foram levados para a Delegacia Regional de Linhares.

Um dos menores detidos havia sido liberado recentemente da prisão por uma decisão do Supremo Tribunal Federal. (STF).

JORNAL A ILHA COM INFORMAÇÃO / TRIBUNA ONLINE
Comentários Facebook