Dupla é presa com mais de R$52 mil em drogas sintéticas em Vila Velha

137
Erick Souza Cunha/ Diego Renato Gravel Vieira

A polícia civil, por meio do Departamento Especializado de Narcóticos (Denarc), realizou uma das maiores apreensões de droga sintética do estado. A operação resultou na apreensão de 383 comprimidos de substância similar ao ecstasy e 1115 micro pontos de NBOMe 25-B, que seria vendido como LSD, além da prisão de dois suspeitos, Erick Souza Cunha, de 25 anos e Diego Renato Gravel Vieira, 21.

Drogas apreendidas
Drogas apreendidas

Cada micro ponto seria vendido a R$30,00 o que resultaria em R$33.450, já os comprimidos são vendidos a R$50,00 gerando um lucro de R$19.150, o valor que eles conseguiriam ao vender toda a droga chegava a R$52.600. Pelo preço alto, o público dessa droga costuma ser de classe alta e os policiais acreditam que a venda seria feita em boates e festas de música eletrônica, conhecidas como Rave.

A equipe da Denarc chegou até o primeiro suspeito por meio de uma denúncia anônima, que os levou ao apartamento de Erick, em coqueiral de Itaparica, eles foram autorizados a entrar na residência, onde encontraram 865 micro pontos e 380 comprimidos escondidos dentro de um tênis.

WhatsApp Image 2019-02-07 at 09.33.57 (1)Enquanto realizavam as buscas pela casa, eles receberam a informação de que outro suspeito de portar a droga estaria localizado na praça do bairro Santa Mônica, também em Vila Velha. A policia foi até o local onde encontrou Diego Renato portando 10 cartelas de NBOMe, que resulta em um total de 250 micro pontos.

Essas substâncias foram criadas para tentar burlar a portaria 344 da Anvisa, que lista quais princípios ativos são denominados ilícitos e configuram crime de tráfico de drogas, porém como foram criadas recentemente e ainda não são testadas em seres humanos seus efeitos colaterais ainda são desconhecidos. O efeito estimulante e alucinógeno dessas novas drogas sintéticas são mais fortes e mais perigosos do que o LSD e o ecstasy.

Os dois suspeitos foram autuados por tráfico de drogas. Erick alegou em depoimento que apenas guardava a droga para outra pessoa e Diego Renato disse que o entorpecente encontrado com ele era para consumo próprio. A polícia investiga a participação de outras pessoas na venda das drogas.

DA REDAÇÃO DO JORNAL A ILHA | COM INFORMAÇÃO ESHOJE

Comentários Facebook