Prefeitura de São Mateus aterra nascente para ampliar Cemitério da Aviação

157

Uma ação da Secretaria de Obras e Infraestrutura da Prefeitura de São Mateus com vistas a ampliar o cemitério da Aviação, virou caso de polícia na manhã desta segunda-feira. Mediante uma denúncia do vereador Jerri Pereira, a Polícia Militar Ambiental descobriu que o aterro para as caçambas terem acesso ao local destinado à ampliação do cemitério, foi feito sobre uma área de nascente.

Com a constatação de crime ambiental, a Polícia Militar Ambiental embargou a obra e solicitou a presença do Secretário de Obras e Infraestrutura Valter Pigatti à sede da Companhia que funciona anexo ao 13º Batalhão da Polícia Militar onde foi lavrado um Boletim de Ocorrência.

De acordo com o comandante da Companhia da Polícia Militar Ambiental, capitão Fabrício Pereira Rocha agiu de forma a preservação da área de nascente por tratar-se do cometimento de crime ambiental. Afirmou, no entanto que ninguém foi preso ou indiciado. “Neste caso nos cumpriu lavrar um Termo Substanciado que foi encaminhado ao Juizado Especial para que as providências cabíveis sejam tomadas”, explicou.

Ainda de acordo com o capitão, o crime cometido pelo município “foi de menor potencial ofensivo, mas entendido como grave quando se registrou que foram jogadas caçambas de terra sobre nascentes na Área de Preservação Permanente que fica nos fundos do cemitério. A área que a prefeitura havia aterrada para fazer a estrada por onde as caçambas iriam ter acesso é de quatro metros de largura por três de comprimento.

Capitão Fabrício disse ainda que já está marcada para o dia 21 de fevereiro próximo a audiência no Juizado Especial sobre o ocorrido quando o juiz vai decidir sobre o caso. “Nossa missão por hora foi embargar o que vinha sendo feito pelo município, como forma de preservar a nascente existente nos fundos do cemitério”, finalizou.

A reportagem tentou falar com o secretário Valter Pigatti até o fechamento da reportagem às 17h50 mas não obteve êxito. O telefone estava remetendo à Caixa Postal.

DA REDAÇÃO DO JORNAL A ILHA / HILMAR DE JESUS

Comentários Facebook